Batismo do Senhor

Ao ser batizado por S. João, o Senhor Jesus Cristo vê os céus se abrirem e de lá descer a voz do Pai, que lhe diz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho meu bem-querer”. O Pai testemunha aqui a alegria que lhe causa o amor e a obediência de Jesus Cristo, seu Filho encarnado.

N’Ele, com efeito, repousa toda a complacência de Deus, pois só em Jesus o coração humano chegou a amar o Pai com todo o amor de que Ele é digno. Sinal disto é a presença, em forma de pomba, do Espírito Santo, que procede do Pai e do Filho “por uma comum espiração de amor infinitamente santa” (Antonio R. Marín, Dios y su Obra. Madrid: BAC, 1963, p. 314, n. 295).

No batismo do Senhor, portanto, contemplamos o mistério de que, no SS. Coração de Cristo, o Pai goza da mesma alegria, da mesma felicidade que, por assim dizer, lhe “proporciona” a geração eterna de seu Filho no céu. E assim também o nosso próprio batismo; por meio dele, revestimo-nos de Cristo e, assimilados ao seu Corpo, que é a Igreja, apresentamo-nos ao Pai sob o título de filhos que Ele mesmo quis conceder-nos.

Ao ver, pois, a um de seus filhinhos, batizados e em estado de graça, é a Cristo que o Pai enxerga, e por isso o seu coração celeste, transbordante de alegria, pode dizer a cada um de nós: “Tu és o meu Filho amado”, porque é Ele quem age em nós, que ama em nós, que se sacrifica em nós. É a Ele, numa palavra, que o Pai deseja reconhecer em nós, porque é impossível, fora de Jesus, agradar verdadeiramente o Pai, cujo único amor, cuja única grande e santa “obsessão” é o seu Filho unigênito, de quem temos hoje a graça de ser membros vivos.

compartilhar